17 de agosto de 2017

Religião e Política

A promiscuidade entre a política e a religião é um traço característico das comunidades atrasadas.
Em Pombal, a política e a religião é um submundo viscoso, pernicioso e vicioso; onde favor compra favor ou favor paga favor.
Há uns meses atrás a câmara atribuiu um subsídio à comissão fabriqueira de Abiúl - Ramalhais.
No próximo fim-de-semana, realizam-se as Festas em de Nossa Senhora da Conceição, no Ramalhais.
A comissão fabriqueira incluiu no programa das festas - em pleno cartaz - a presença presidente da câmara e da presidente da junta.
O presidente da câmara e a presidente da junta acordaram, com certeza, a presença no convívio e farão, com certeza, também, os discursos aos crentes onde anunciarão mais umas prebendas.

E assim prosseguirá, na paz dos anjos, o círculo vicioso.

16 de agosto de 2017

Farpas no top

Anteontem, o Farpas (blog) atingiu o recorde de 6918 visualizações num só dia (foi visto por 6918 IP`s diferentes – por muito mais pessoas porque só conta uma visualização por IP). No facebook, no mesmo dia, o post mais visto atingiu 9282 visualizações
O recorde de visualizações coincidiu com a publicação de dois posts sobre o Louriçal.
Somos cada vez mais lidos, e não é só na cidade… 
Estamos em máximos, e com tendência de subida!

14 de agosto de 2017

Afinal, há oposição

A descarada acção de campanha de apresentação das Obras de Construção do Centro Cultural e do Mercado do Peixe do Louriçal, agendada pela Câmara Municipal de Pombal (CMP) e Junta de Freguesia do Louriçal (JFL), deliberadamente para o dia 14 de Agosto, pelas 18h 30 min, dentro do período de campanha (e das festas locais), foi CANCELADA.
A CMP e a JFL foram obrigadas a cancelar o evento porque a Comissão Nacional de Eleições, na sequência de uma queixa apresentada pelo Bloco de Esquerda, considerou que o evento violava a lei eleitoral.
Haja alguém com coragem para por alguma ordem no regabofe que é utilização de recursos públicos para campanha eleitoral.

13 de agosto de 2017

A privatização das festas do Louriçal


A organização das festas do Louriçal (a cargo de uma espécie de associação criada para o efeito pelo magnata António Calvete) tem vindo a progredir a passos largos na transformação das festas num evento privado, com o apoio da Junta e da Câmara (que contribui com dinheiro nosso para aquilo). Este ano a comissão deu um passo maior na prossecução desse objectivo, ao vedar por completo as festividades. Por exemplo, quem quer ir jantar às tasquinhas (a cargo de colectividades que usam o voluntariado dos seus dirigentes e sócios para servir às mesas e ainda pagam uma bela factura à organização) tem de pagar primeiro o respectivo ingresso (por 4 ou 8 euros por dia, conforme o artista) para poder entrar no recinto. O mesmo acontece com quem ir levar as crianças aos carrosséis, comprar uma fartura ou algodão doce. Nem se percebe por que razão foram as ruas enfeitadas, pois que as despiram de festa, privando o povo de a viver.
Para cereja do bolo, resta dizer que, até hoje, nos últimos quatro anos, ninguém prestou contas de qualquer edição das festas. Calvete diverte-se com os amigos nos bares, os políticos desfilam por lá no dia da inauguração, e enchem as mesas ao jantar. Neste domingo, havia espaço livre à hora de almoço nas tasquinhas, e ruas desertas na vila. Talvez a esta hora o presidente José Manuel Marques já tenha percebido que não há almoços grátis. Ou não.

12 de agosto de 2017

As festas&arraiais vão decidir as eleições


Como os candidatos se limitam a explorar a exposição pública nas festas&arraiais, aposto cruzado contra vintém que as festas&arraiais vão decidir as próximas eleições (quem mais participar nas festas&arraiais mais votos terá, e vice-versa).

11 de agosto de 2017

Onde se dá conta da conversa (azeda) do Príncipe com o Pança

O Príncipe, depois de mais uma noite mal dormida, apresentou-se abespinhado no trono. Ao passar pela donzela do serviço ordenou-lhe que chamasse o Pança; ao que a ela respondeu:
- O Pança está de férias, Alteza.
- O Pança não tem direito a férias. Mande-o vir, e rápido… - ordenou o Príncipe.
- Vou tentar, Alteza – respondeu, com reservas, a donzela.
Mal se tinha sentado, estava ainda a digerir as reservas da donzela, e já esta se apresentava à porta para informar Sua Alteza que o Pança estava a banhos no Sul…
- Ligai-lhe, e passai-mo…- ordenou o Príncipe.
- Assim farei, Alteza – retorquiu a donzela.
Daí a pouco estava a donzela a informar que tinha o Pança em linha. O Príncipe atendeu, e começou inquirindo:
- Por onde andas Pança? Porque vos ausentastes neste momento crítico?
Ao que o Pança respondeu, seguro: - estou de férias, Alteza! Também mereço…
- Um escudeiro, fiel e próximo, não tem direito a férias – deve estar sempre disponível para o seu Amo. Fizeste de propósito, malandro? Perguntou o Príncipe em tom provocatório.
- Credo, Alteza! Não sejais assim comigo... Eu dedico o dever, assim como a alma, primeiro a Deus, depois a Vossa Alteza – afirmou, condoído, o Pança. E acrescentou: mas também preciso de uns dias de bom-passadio com a família...
- Ausentastes-vos e deixastes-me sozinho no período mais crítico – afirmou o Príncipe.
- É por pouco tempo, Alteza – contrapôs o Pança. E o Senhor não está sozinho: tem a sua equipa, os mandatários …
- Não me lembreis coisas tristes… – afirmou o Príncipe - Perdi a confiança nos ministros, e eles em mim; se alguma vez a houve…
- Não acredito... Tenho lido - como é minha obrigação (mesmo em ócio) - os boatos que eles inventam ou reproduzem no sítio subversivo, mas não os levei a sério. Aquilo é só para nos destabilizar. Não valorize, Alteza; o povo está sereno e controlado – é muito fiel ao partido do regime - …- contrapôs o Pança.
- Gostava de acreditar no que me dizeis, Pança; mas não posso: estamos rodeados de inimigos...- afirmou o Príncipe.
- Acreditai-me, Majestade; as coisas estão controladas: a oposição está abafada, e o Inimigo será posto na ordem no momento certo. Deixai-o aos cuidados do meu desprazer – contrapôs, novamente, o Pança.
- Não digas sandices, Pança. Como coisas estão, corro sérios riscos de ser derribado do poder por um velho tonto. Dize-me, Pança: haverá maior humilhação...? – perguntou, afirmando, o Príncipe.
- Não gosto nada de o ver tão inseguro…. É mau presságio…- referiu o Pança
- É a realidade, Pança: os inimigos estão no nosso seio. O que designas por Inimigo é só adversário, e previsível…- afirmou o Príncipe. E continuou: - preciso de ti, aqui, no terreno…Há muito trabalho sujo para fazer, e para esse tipo de trabalho não se encontra facilmente quem o saiba ou o aceite fazer.
- Esta fase é de formalidades…E o Senhor está muito bem apoiado por dois correligionários doutos em leis – afirmou o Pança.
- Enganas-te, Pança: o da propaganda já saltou fora; e no Trincaferros não posso confiar…
- O Senhor não confia em ninguém…Como é que quer que as pessoas confiem em si? – perguntou, afirmando, o Pança.
- Já falaste demais, Pança; e estais no mesmo registo dos outros… Entupíeis-me os ouvidos com palavras que de todo me são insuportáveis. Mas devíeis saber – se não o sabes, já - que te despacho mais facilmente do que aos outros. Faço-te voltar para Contador-de-notas - se eles lá te aceitarem -, e acabo-te com a vida boa …- ameaçou o Príncipe.
- Fazei o que entenderdes, Senhor; já estou, também, por tudo…Esta vida de escudeiro é muito desgraçada e pouco agradecida. E com um amo como o Senhor já vi que nunca chegarei a cavaleiro. O que eu quero mesmo é tornar-me governador do meu condado e fazer-me cavaleiro – concluiu o Pança.
                                                                                                                         Miguel Saavedra

10 de agosto de 2017

Abusos dos autarcas-candidatos e uma sugestão para lhes por cobro

Sempre que nos aproximamos de eleições autárquicas a Comissão Nacional de Eleições, órgão que assegura o regular funcionamento das eleições e das (pre-)campanhas, vê o seu volume de trabalho aumentar exponencialmente.
Como assevera Manuel Carvalho no Público, “O número de queixas que a Comissão Nacional de Eleições (CNE) recebe por esta altura é um bom indicador da mobilização cidadã e, ao mesmo tempo, a prova de como o abuso de poder, o uso de recursos e de funções públicas para funções partidárias, o sectarismo faccioso e o personalismo caudilhista continuam a contaminar o ambiente em que eleitores têm de fazer as suas escolhas”.
Manuel Carvalho acerta na muche. Os órgãos de administração autárquica têm de cumprir com os seus deveres de imparcialidade e de neutralidade e, por isso, não podem incorrer em atividades que beneficiem qualquer partido político nem qualquer candidatura autárquica. Sobre isto a legislação é cristalina e não deixa sombra de dúvida. Por exemplo, no nº 4 do artigo 10.º da Lei n.º 72-A/2015 consta que a partir da publicação do decreto que marca a data das eleições (no caso das autárquicas 2017 a publicação foi a 12 de maio) “é proibida a publicidade institucional por parte dos órgãos do Estado e da Administração Pública de atos, programas, obras ou serviços, salvo em caso de grave e urgente necessidade pública”.
Se há por todo o país um lado negro de abuso de poder e autoritarismo caciquista nas eleições autárquicas, esse lado negro não podia faltar aos executivos autárquicos do concelho de Pombal. Num período de 10 dias, de 28 de julho a 6 de agosto, podemos encontrar o Senhor Presidente da Câmara Municipal de Pombal e cabeça de lista pelo PPD-PSD ao mesmo órgão, Diogo Mateus, em 36 fotografias publicadas na página de Facebook do município. Como seria de esperar, nenhum outro munícipe está tão insistentemente representado na página como Diogo Mateus.
Mas, como se o abuso fosse pouco, o PPD-PSD, por via dos executivos autárquicos que controla, decide dar mais um passo no terreno da ilegalidade e do desaforo e convida os munícipes a participarem na “apresentação das Obras de Construção do Centro Cultural e do Mercado do Peixe do Louriçal, a decorrer no próximo dia 14 de Agosto, pelas 18h 30 na Junta de Freguesia do Louriçal”. O que está em causa é uma verdadeira ação de campanha eleitoral do PPD-PSD promovida com a chancela de duas autarquias locais, a Câmara Municipal de Pombal e a Junta de Freguesia do Louriçal.
Esta forma de atuar destes dois órgãos municipais do concelho, ilustrada tanto pela cascata de fotografias de promoção de Diogo Mateus como pelo convite para a apresentação de projetos de obras, tem objetivos eleitorais que são por demais óbvios e viola a lei e os deveres de imparcialidade e neutralidade dos órgãos da administração autárquica. O pior que podemos fazer é olhar para casos como estes e encolher os ombros, pois estaremos a permitir que do opróbrio aos nossos direitos democráticos se faça regra. A participação à CNE é, portanto, algo que devemos encarar como um dever de cidadania. Sobre estes dois casos já fiz seguir a devida participação. Caso o/a leitor(a) se aperceba de outros atropelos semelhantes, incito-o/a a participá-los para cne@cne.pt, preenchendo este formulário ou ligando para o 21 3923800.

NB: Deixo o meu agradecimento ao Farpas por, nas suas próprias palavras, “abrir a porta do blog à opinião de todos os candidatos autárquicos que entendam partilhar artigos”. Num concelho onde escasseiam meios de comunicação, esta é uma forma do Farpas Pombalinas prestar um serviço público à população do concelho. 

Farpas Convidadas: Gonçalo Pessa (Cabeça de Lista do BE à CMP)

9 de agosto de 2017

Vila Cã: o triunfo das mulheres, a derrota do PS

                                                       foto da Ana Tenente in Pombal Jornal

A freguesia de Vila Cã continua pequena no tamanho e grande em disputa autárquica. Em quatro anos, muita coisa mudou. Maria José Marques (PSD) passou de primeira apoiante de Ana Tenente para principal adversária no acto eleitoral que se aproxima. Ana Tenente, actual presidente da junta, perdeu exército mas volta a batalhar como independente, com o apoio de Narciso Mota. O CDS vai a jogo com Liliana Silva - a jovem e dinâmica presidente da associação local, no dizer da JSD. E o PS, que ainda há oito anos alcançou 40% dos votos, fica de fora. A um partido que quer ser levado em conta como alternativa ao poder exige-se mais do que isso, numa terra em que até os independentes formam listas.

Pergunta indiscreta

Nos últimos quatro anos, quem é que construiu mais muros: Benjamin Netanyahu na faixa de Gaza ou D. Diogo em Pombal?

8 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: a virtude está nos extremos


Se as eleições autárquicas servissem apenas para trazer jovens dinâmicos e com potencialidades para a vida política pombalense, já valeriam a pena. Este ano temos a sorte de poder contar com Gonçalo Pessa, candidato pelo BE à Câmara Municipal e (apesar de não o conhecer tão bem e, por isso, me abster de comentar mais) Sidónio Santos, candidato à Câmara Municipal pelo CDS-PP. 

O que gostaria de destacar é o empenho com que ambas as candidaturas se apresentam. Mesmo sabendo que os seus objectivos não passam pela conquista do poder, tanto o BE como o CDS-PP mostram ambição de eleger um vereador e lutam por isso. No caso do BE, a eleição de um elemento para a Assembleia Municipal já seria uma vitória eleitoral. Daí que o partido faça muito bem em assumir a estratégia de promover a candidatura de Célia Cavalheiro ao mesmo nível da candidatura de Gonçalo Pessa. 

Uma palavra final para Gonçalo Pessa. Para além de ser um jovem inteligente e muito bem formado, tem conseguido marcar a agenda política local com iniciativas de grande mérito. Para começar, a apresentação da sua candidatura decorreu num evento de âmbito nacional (o Inconformação 2017, realizado na Escola Secundária de Pombal). Depois, conseguiu trazer a Pombal, no Domingo do Bodo, a líder do seu partido para participar numa iniciativa de pré-campanha. Muitos parabéns; nem todas as candidaturas se podem orgulhar desse feito!

7 de agosto de 2017

Fumo laranja (IV), queimado

Depois de muita revolta e ameaças, D. Diogo (lá) consegui formar lista e fazê-la engolir pelo partido e vereação.
Guilherme Domingues cai do lugar do morto e sai da lista. Há quem diga – no partido e fora dele – que é melhor assim: cair já – mais vale cedo do que tarde. Para o seu lugar foi repescado Pedro Murtinho.
Ana Cabral fica em número dois; contra a vontade de uma boa parte do partido. Ana Gonçalves é desgraduada para a quarta posição, atrás da sua funcionária – mais vale isso, do que nada.
A doce Catarina foi mesmo despachada para o decorativo sexto lugar, e engoliu em seco.

Adenda: a lista do Pedro – essa sim – é uma coisa à-séria, e à-primeira. Da do PS não damos notícia – eles não querem que se saiba!

Obras tortas em Abiúl

Abiúl é, por estes dias (que deveriam ser de festa e oração), uma terra fora da Graça de Deus: obras tortas, igreja fechada e traições.
A câmara e a junta tiveram quatro anos para requalificar o centro da vila; mas, por conveniência ou incompetência, empurraram a intervenção para o final do mandato. Depois, fruto da contestação dos abiulenses, andaram com o projecto para trás-e-para-a-frente, simulando uma abertura que nunca existiu. Resultado: ficou tudo (ou quase) na mesma, menos o atraso e os transtornos, porque não conseguiram concluir as obras antes da realização das festas anuais.
As obras na igreja padecem dos mesmos pecados das realizadas no centro da vila (são duas faces da mesma moeda): intervenções sem planeamento, sem critério e sem estudo; que geram a contestação de muitos abiulenses, porque destroem equipamentos valiosos e irrecuperáveis. Resultado: obras embargadas e igreja fechada no mês - Agosto - mais crítico do ano – festa anual da N.ª Sr.ª das Neves e grande ocorrência de casamentos e baptizados.
Pelo meio muita traição e muito pecado mortal. E sem os confessionários disponíveis.

4 de agosto de 2017

Última hora: fumo laranja, III*

*post em (constante) actualização

Não há fumo sem fogo, já se sabe. A estrutura política do PSD vai reunir ainda hoje para baralhar e dar de novo na lista à Câmara. O que quer dizer que a ordem (divulgada aqui no Farpas esta manhã) deverá ainda sofrer alterações. O ambiente nos corredores do Convento do Cardal durante o dia de hoje era quase de Dia do Juízo Final. Se por um lado o nome de Ana Cabral é bem recebido, Ana Gonçalves não terá visto com bons olhos ser ultrapassada por uma funcionária até agora sob a sua alçada. E as entradas de Guilherme Domingues e Pedro Brilhante para os lugares de dois vereadores que tanto trabalharam ao longo do mandato (Pedro Murtinho e Catarina Silva) não caíram bem. Aguardemos então pelos desenvolvimentos, até que as listas sejam apresentadas no Tribunal, segunda-feira que vem, último dia.

Autárquicas 2017: onde está o Wally?


Jorge Claro é uma pessoa íntegra e com o PS até poderia conseguir um resultado muito interessante nestas eleições, sobretudo num cenário de grande dispersão de votos no PSD. Se número de vereadores ficasse distribuído na forma 4 (PSD) + 3 (PS) + 2 (PH), Claro teria que ter a habilidade para construir uma geringonça que o fizesse assumir o poder. 

Mas Jorge Claro tem dois problemas que poderão ser fatais: um é o PS e outro é ele próprio. O PS deveria trabalhar muito mais e não permitir a rebaldaria de opiniões que grassam nas suas hostes. O que vemos actualmente é um partido descrente e pouco focado, incapaz de ganhar eleições e gerir a Câmara. A Jorge Claro - que praticamente desapareceu do mapa em Abril, logo após a apresentação da sua candidatura -  falta-lhe o chamado "killer instinct" e, sem ele, não conseguirá sobreviver no mar de tubarões que é a nossa política concelhia. 

Fumo laranja (II)


A ordenação da lista que foi soprada ao Farpas foi alterada na reunião da comissão política.
A Ana Cabral salta para numero dois – o lugar do morto – e o Guilherme Domingues entra para número três.
O Fernando Parreira foi-se, finalmente. O Pedro Murtinho, a Catarina Silva e o Renato Guardado acompanham-no.
A JSD coloca o Pedro Brilhante no quinto lugar.

PS: No entanto, foi-nos referido que a ordenação ainda pode sofrer algum ajuste de última hora (antes da entrega no tribunal).

Fumo laranja

Estava difícil, mas finalmente habemos fumus laranja: lista do PSD à CMP.

Guilherme Domingues entra no lugar do morto, e a Ana Cabral reveza Catarina Silva.
O Fernando Parreira foi-se, finalmente. E o Renato Guardado acompanha-o.

Pelo meio, o lugar da forte JSD é dado a Pedro Brilhante – um brilhante sétimo lugar.

3 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: luta de galos


O PSD é a única força política capaz de ganhar eleições em Pombal. Nas últimas décadas, o partido tem gerido o concelho a seu bel-prazer, sem qualquer oposição externa, contanto apenas com o Farpas como a única voz incomodativa. 

Com o objectivo de quebrar o tédio, ou apenas por inabilidade política, a concelhia social-democrata criou as condições para gerar o seu inimigo internamente. A decisão de conduzir Narciso Mota a Presidente da Assembleia Municipal e a triste novela do penico do Cardal contribuíram decisivamente para se instalar uma inédita luta de galos no seu seio. A pergunta que hoje se faz é: será que o galo velho ainda tem forças para pôr na linha o galaró e tirá-lo do poleiro? Eu aposto que não.

Narciso Mota não só não vai ganhar as eleições como corre o risco de ser humilhado. E, quanto a mim, é um resultado justo: Narciso não merece voltar a presidir os destinos da nossa Autarquia. Apesar do trabalho que tem conseguido fazer na elaboração das listas concorrentes às Juntas de Freguesia, o seu projecto político está esgotado e o povo não lhe irá perdoar aquilo que entende como uma traição. 

O velho galo, sem a mesma força anímica de outros tempos e uma equipa credível, será facilmente depenado pelo vaidoso galaró e as suas hostes aguerridas. 

2 de agosto de 2017

Sinais de esgotamento político

Quando se começam a recrutar funcionários/as para as listas.

Crónica de polícia - o circo de feras no Bodo


Quem assistiu à cena de segunda-feira à noite pôde testemunhar para que serve, todo o contingente policial distribuído pelo recinto dos espectáculos nas noites do Bodo. Diz o auto de notícia que "o suspeito encontrava-se a incomodar, nomeadamente, (a pontuação é deles...) a empurrar diversos populares no decorrer do concerto, e por não ter cessado a sua conduta, após ter sido alertado diversas vezes por parte da equipa de segurança destas festas".
Quem assistiu à cena de segunda-feira à noite, em frente ao palco onde tocavam os Xutos & Pontapés, julgou tratar-se de um perigoso terrorista que ali perpetrava um atentado contra o sossego de quem vai assistir a um concerto, sobretudo a um concerto de rock. Meia dúzia  de polícias imobilizaram o espectador "com a força física estritamente necessária, nomeadamente, técnica de mãos livres, por forma a retirar o suspeito do meio da multidão".
O suspeito é perigoso quanto isto: chama-se Pedro Brazão, vive e trabalha em Londres, está quase cego. Veio de propósito a Pombal  para assistir ao concerto da banda. Esqueceu-se, porém, que nem tudo é normal em Pombal ocidental (nem oriental, nem em quadrante nenhum). E lembrou-se de dançar e saltar num concerto dos Xutos. Quem é que se lembra de uma coisa dessas? 
A atitude violenta da polícia impressionou quem estava por perto. Calculamos que foi a coroa de glória na actuação de várias noites, em que o contingente foi exímio na prevenção. Atente-se, por exemplo, na quantidade de adolescentes que poderiam ter ficado alcoolizados até ao limite se acaso os bares lhes vendessem bebidas alcoólicas. Ainda bem que temos no Bodo tanta polícia para prevenir e assegurar a ordem... com os homens de 40 anos. Que importunam quem quer estar sossegado e tranquilo em frente ao palco, num concerto daqueles. 

1 de agosto de 2017

Autárquicas 2017: o bom samaritano


O ambiente político em Pombal está ao rubro. A principal causa desta agitação prende-se com o caos provocado no laranjal pela candidatura de Narciso Mota à Câmara Municipal.

Os que, como eu, gostam da discussão política acesa, devem um agradecimento muito especial ao presidente da concelhia social-democrata. Ao querer agradar, simultaneamente, a gregos e a troianos, o  jovem político revelou-se impotente para gerir situações de conflito. As indiscutíveis qualidades humanas do bom samaritano são, ironicamente, as suas maiores fraquezas enquanto político. 

Pedro Pimpão será, com probabilidade um, o próximo Presidente da Junta de Pombal, o que não significa que tal acontecimento tenha necessariamente que ocorrer. Com um vasto curriculum político, muito superior ao dos seus adversários, Pedro Pimpão pode orgulhar-se de apresentar como o seu maior legado a actual crise do seu partido. Após o fracasso como líder da concelhia a que presider, que garantias poderá dar aos eleitores de que não irá repetir a façanha na Junta?