29 de outubro de 2016

O sangue-azul do Cardal

                                          Foto: Forum Pombal. Quando tudo corria bem. Ou parecia que sim.

Foi um ar que se lhe deu. Num dia Narciso anuncia uma conferência de imprensa para se apresentar como candidato - e convida meio mundo a comparecer, entre autarcas e dirigentes de todos os partidos - noutro cancela-a. "Lamentando e por motivos alheios à minha vontade, serve o presente para cancelar a data prevista da conferência de imprensa, até nova data a informar". 
O E-mail chegou às caixas de correio já passava da uma da manhã de hoje, e foi escrito depois uma discussão acalorada que o ex-presidente da Câmara manteve com Pedro Pimpão, à saída do jantar de inauguração do Bodo das Castanhas, em Vermoil. O mesmo jantar onde se esqueceram de guardar lugar para ele, na mesa das entidades oficiais. 
Da conversa entre ambos pouco se sabe pode contar, ainda,  que o povo é bem educado e não se abeira de uma discussão tão séria, com implicações tão grandes para a vida de ambos - e do concelho que é nosso. Mas as ondas de choque não se fizeram sentir. Quem saiu em defesa de D. Diogo (o mesmo é dizer contra Narciso) foi o doutor João Coucelo, que respondeu ao mail de Narciso, enviando a resposta para todos os mortais da mailling list O médico - ex-vereador de Narciso, ex-mandatário de Narciso, ex-presidente da Assembleia Municipal, sempre pelo PSD, sempre próximo de D. Diogo - arregaçou o punho de renda e fez o favor de dizer ao meio mundo convidado de Narciso aquilo que a estrutura local do partido ainda não tivera coragem de escrever:
"Caro Narciso
Devias cancelar as tuas intenções de candidatura que eticamente são condenáveis nos moldes em que o fizeste.Se persistes tens de te demitir das funções na A.M o que é o mínimo de decência que te resta nesta farsa.
Sempre fui solidário contigo nos momentos mais difíceis e nem sempre tive igual tratamento,mas mantive a discrição que se exige a quem na política só pretende o bem publico.
Não alinho em lutas pessoais e cruzadas de mau gosto.
O que está feito, feito está mas trata de desfazer males maiores".
A parte melhor desse e-mail vem no fim. É quando Coucelo se despede de Narciso "com amizade", qual Sousa Veloso aos agricultores que o viam, com respeito, aos domingos de manhã.
Isto promete ser uma campanha de avanços e recuos. E não apenas por parte de Narciso. Na comissão política concelhia, "recuo" passou a ser o nome do meio. Não é Pedro?

27 de outubro de 2016

Narciso, o renegado



Narciso Mota vai fazer uma fuga para a frente, no próximo dia 4 de novembro, no auditório da Caixa de Crédito Agrícola, e apresentar-se à imprensa como candidato à Câmara de Pombal. Sendo certo que o PSD já deu mostras várias de não o querer - as eleições hão-de confirmar uma evolução na continuidade, com Diogo Mateus - o mais certo é assumir-se já como independente, para não passar a vergonha de ser desmentido publicamente. Consta até que o próprio presidente do partido em Pombal já lho disse, na cara, depois de meses com as mãos a escaldar de tamanha batata quente. Quem conhece o Pedro Pimpão imagina-o a dizer a sentença a Narciso Mota enquanto engole as vísceras e segura as entranhas. Tal como a esmagadora maioria dos que vivem da política em Pombal, deve a Narciso Mota muito do ganha-pão. Mas isso são contas de outro rosário. Também Diogo as engoliu, por mera questão de sobrevivência política, ao longo de 20 anos.
É certo que o PSD não tinha grande saída, e mesmo não sendo D. Diogo o candidato ideal para um partido vincadamente populista, não havia como não o apoiar.
O problema nesta equação chama-se povo. É esse que vai contribuir ainda mais para partir o partido, é essa a grande base de apoio de Narciso Mota - porque o reconhece como parte integrante e não precisa de tirar o chapéu para lhe falar. Mesmo que neste tempo já não baste a empatia para ganhar eleições, a era Marcelo é esta, a dos afectos. Melhor fora que Narciso tivesse escolhido as Meirinhas para se apresentar. Se na quinta-feira aparecer sozinho, não se iludam. Até ao dia das eleições, o cenário será aquele aqui descrito: um exército que com uma mão segura a bandeira do partido e dá passagem a Diogo, e com a outra abre a porta a Narciso. Isto vai ser imperdível...

Teremos sempre Paris


O João Melo Alvim é desde esta semana Cônsul-Geral Adjunto de Portugal em Paris. Aqui na casa ficamos de peito cheio pela conquista do camarada Alvim, que sonhou connosco o Farpas e lhe deu corpo durante vários anos. 
É um orgulho para nós e para a comunidade emigrante, ver um pombalense ali destacado. A terra perdeu mais um dos seus melhores, mas ganhou-o o mundo - e todos nós, de certa forma.

22 de outubro de 2016

Partido

Os partidos são como a pescada: antes de o serem já o eram. Uns escondem-no, outros assumem-no. Nisto, o PPD/PSD é exemplar, e expressa-o bem.
O PPD/PSD local está partido. Nas próximas eleições autárquicas vai ter dois candidatos: Diogo Mateus pelo Partido e Narciso Mota como independente. Mas a divisão das hostes é tão profunda que se justificava que fosse um pelo PPD e outro pelo PSD.  

No fundo, a surpresa nem é tanto a divisão (natural), mas a forma dissimulada e determinada como se está a processar; o persistente jogo duplo de dirigentes e autarcas, que subscrevem um candidato e trabalham para outro. Por este andar, os resultados eleitorais vão ser uma caixinha de surpresas. 
É a política...

18 de outubro de 2016

Agora, até o turismo espanhol mama…

A CMP aprovou, por maioria com 3 votos contra dos vereadores do PS – Uff, acordaram! – um subsídio de 4.592,50 €, à Banda Filarmónica Ilhense, para esta participar no XII Encontro de Bandas de Música na Comunidade Valenciana - Valência – Espanha, entre 30 de Setembro a 2 de Outubro.
Este era um subsídio que até o Farpas ignoraria - é daqueles que o senso comum nos diz que é virtuoso. Mas não o é. Na verdade, é emblemático do conluio de interesses que a subsidiodependência gerou, e do estratagema de geração de poder que engendrou.
A vereadora da cultura, ávida de agradar e de captar agradecimentos para o príncipe, esmerou-se a pincelar a informação com as todas as cores do arco-íris. Mas fê-lo numa tela com fundo negro. O esquema parecia perfeito, se do outro lado não estivesse um ex-inspector, conhecedor profundo dos esquemas avançados dos espanhóis, na captação de excursionistas para as suas instâncias turísticas, na época baixa, preferencialmente junto de grupos financiados com dinheiro público.
Aqui, a oposição – nomeadamente o vereador Jorge Claro – esteve bem: foi oposição - mostrou, até aos mais cépticos, que o papel da oposição é indispensável à prossecução da boa governance, mesmo nos assuntos julgadas menores, ou politicamente inconvenientes. Segundo ele, “o encontro de bandas da comunidade valenciana foi em Julho”, e não entre 30 de Setembro a 2 de Outubro, como a informação refere; “o local previsto para a realização do evento dista 100 km de Valência, é uma estância balnear composta por edifícios turísticos, não há qualquer outra actividade económica a não ser o turismo, existem mais de 100 hotéis, é uma zona dedicada apenas ao turismo.” “Quem promove este evento é uma agência de viagens, com sede em Barcelona, e que tem uma delegação na zona”. A banda actuou num jardim em frente da unidade hoteleira Marina d’Or, perto da praia, - um complexo turístico com cinco unidades hoteleiras.
Falta saber quem tem maior responsabilidade no desvario: a vereadora que quer agradar ou o príncipe que precisa de agradecimentos. 
OH MEU POMBAL, que até o turismo espanhol subsidia! Se o teu castelo falasse mais vezes, tanta coisa que se saberia!

17 de outubro de 2016

O estranho caso da sondagem, ou a sondagem mais estranha


Poucos dias antes da notícia oferecida aos leitores do Pombal Jornal, na sua última edição, duas figuras do PSD perguntaram-me o que achava daquilo. "Então e a sondagem, que tal?"
Ora, como a última notícia que tivera de qualquer sondagem, foi quando Narciso Mota voltou de Lisboa - do encontro com Pedro Passos Coelho, onde alegadamente o líder lhe terá dito que o partido "ia fazer uma sondagem para ver se era ele ou Diogo Mateus o candidato à Câmara" - pensei que estávamos a falar dessa. Ficou-me sempre um punhado de dúvidas, caros leitores, agora agravadas:
1. Sendo vencedor absoluto na Câmara, o que raio iria o PSD fazer a Diogo Mateus, e voltar atrás, com Narciso Mota?
2. A haver sondagem, quem é que a fazia? O PSD nacional? O PSD local?
3.O que ganhava o PS em trazer à liça uma figura como o vizinho João Gouveia? 
4. O que ganhava João Gouveia em mudar-se para Pombal? A que propósito?
Por este andar, escrevemos um livro e fazemos um filme, no final de 2017. Poucas terras teriam um guião tão atractivo.

9 de outubro de 2016

O candidato que veio do...Bombarral

''Desejo um Portugal moderno, livre, em que o Estado — que deveríamos ser todos nós — garanta o direito universal à educação mas não obrigue os menos favorecidos a obtê-la em estabelecimentos públicos.''
Ó senhor Deputado do PSD, Licenciado, Mestre, Doutorando em Direito e Presidente da Comissão Parlamentar de Trabalho e Segurança Social, o que seria deste país com gente ''menos favorecida'' a estudar em estabelecimentos públicos?
Medo.
Tenham muito medo.

8 de outubro de 2016

Os vícios repetem-se


Ana Gonçalves e sua equipa, ávidos por mostrar serviço, continuam a evidenciar uma enorme falta de respeito pelos artistas que convidam. Tal como aconteceu com as Montras Poéticas ou o Taleguinho, o nome de quem leva a cena a ópera "A flauta mágica", de Mozart, é omitido ou não é referido de forma clara (parece ser a Escola de Música de Abiul). Amadorismo, ingenuidade, esquecimento? Não: egoísmo, leviandade e desrespeito! Mais do que promover a cultura e os seus agentes, a vereação da cultura da Câmara Municipal de Pombal pretende apenas promover-se a si própria.

Mas alguém se importa? Aparentemente, não. A comunicação social (97FM, Pombal Jornal), que tão prontamente carimba o nome da autarquia em todos eventos que esta promove, não revela qualquer curiosidade em saber quem lhes dá corpo e voz. Será que iremos ver Ana Gonçalves subir a palco amanhã, no Teatro-Cine, como a Rainha da Noite? 

6 de outubro de 2016

Importa-se de repetir, senhor presidente?

video
Disse mesmo que "não há uma delas que não tenha uma parque infantil decente..."? Quando é que marcamos uma visita guiada à EB1 de Pombal, a funcionar desde o ano passado no edifício Conde Castelo Melhor? Não é decente. Pela simples razão de que não existe.

5 de outubro de 2016

Um tiro certeiro

Na última AM, Ricardo Ferreira, do CDS, fez uma intervenção certeira (uma excepção em toda a assembleia). Escolheu bem o assunto e os argumentos (enquadrados com a realidade circundante, incisivos e inquiridores). Por outro lado, mostrou astúcia táctica: no aparte inicial, na condução da intervenção e no remake à mesa da AM (esteve bem Narciso Mota e mal o sec(re)tário) e a Diogo Mateus.
Dos outros, foi tudo tiros na água, ou “deixas” para o presidente brilhar. 


video

4 de outubro de 2016

Quixotescamente

A escolha do tema e a forma como o PS tem conduzido a polémica sobre a Unidade de Saúde Familiar do Oeste é um tratado de inabilidade política, como bem o desmontou Diogo Mateus, na assembleia municipal (ver vídeo, minuto 47).
Mas quem manda o PS trocar a sua postura mansa e pacifica por contendas arriscadas sem nenhum potencial de ganho?
Resultado: caíram logo na boca do lobo… É o que se chama, sair de casa para ir à procura de lã e vir de lá tosquiado.

3 de outubro de 2016

Megalomania

Megalomania é um transtorno psicológico caracterizado por delírios e fantasias de poder, relevância ou (até) omnipotência. Segundo Freud, pode engendrar uma paranóia.
Os delírios e fantasias da rapaziada politizada cá da terra foram sempre considerados excessos de uma adolescência retardada; tolerados porque, supostamente, seriam corrigidos pelo amadurecimento e não traziam nada de mau ao mundo. O pior foi quando lhes começaram a dar ouvidos; e o transtorno, no lugar de regredir, agravou-se.
Agora sim, o potencial de dano é real - dano colectivo, pago por todos nós. Ora vejam!
video

A propósito de populismo

Fala o roto do mal remendado...

video

2 de outubro de 2016

Pedro vai à escola


Pedro é um menino muito espertinho que adora a escola. Nos primeiros dias de Setembro a ansiedade é grande. Para não se esquecer de nada, os papás ajudam-no a preparar a mochila de véspera e, na manhã seguinte, é vê-lo saltitar de alegria, com vontade de chegar cedinho, antes dos outros meninos todos. 

O nosso Pedrocas é querido de toda a gente. Para além de muito simpático e bonito, o mocito não enjeita o trabalho e as responsabilidades. Daí que os papás, muito orgulhosos, aceitaram com agrado a sua vontade de visitar todas as escolas do país. Brilhante ideia! - disseram. Assim podes ajudar os outros meninos a ser como tu. 

Vai daí, abriram os cordões à bolsa e pagaram-lhe uma viagem por todo o país (incluindo as Ilhas). Afinal, o dinheiro que se gasta até pode ser um bom investimento. Quem sabe se, no futuro, não poderemos vir a ter uma geração de meninos bonitos como o Pedrinho? Não seria tão bom? Aposto que as más-línguas vão dizer o contrário.