31 de dezembro de 2013

Novo diretor da ETAP

Segundo o NC, Jorge Viera da Silva foi nomeado Diretor Geral da ETAP.
É uma boa escolha porque dá um importante sinal de despartidarização dos cargos públicos (ou semi-públicos) e parece assentar em critérios de meritocracia.

Jorge Vieira da Silva é um profissional competente e rigoroso que dá garantias de inverter o definhar da ETAP.  
Bom sinal!

29 de dezembro de 2013

Perigo no rio Arunca - II

Já aqui falámos dos pilartes dos guarda-corpos destruídos junto ao rio Arunca na Urbanização das Cegonhas e do consequente perigo de queda de vários metros de altura para o rio Arunca.
Também dissemos que um cidadão já havia alertado a Câmara Municipal para o perigo ali existente.
Soubemos recentemente que a Câmara Municipal terá respondido ao dito cidadão, informando-o que a responsabilidade seria do dono do loteamento e que haviam sido colocadas fitas plásticas a sinalizar o perigo. Visitámos o local e já só encontramos vestígios das fitas num dos troços destruídos.
Mesmo que as infraestruturas não tenham sido recebidas provisória ou definitivamente e tendo sido aprovado o loteamento e prestada caução, a Câmara Municipal pode e deve intervir e remover o perigo. Aliás, parece que, no presente caso, não se trata de uma questão de efeitos mas de destruição (por alguém) dos pilaretes dos guardas-corpos.
Aqui chegados, resta perguntar o que é necessário acontecer para serem feitas as necessárias reparações? Se ocorrer uma desgraça, alguém irá apressar-se a tomar medidas para tentar evitar responsabilidades…

28 de dezembro de 2013

As respostas de Sofia

Andei a adiar escrever sobre este assunto mas agora, quem sabe se imbuído pelo espírito natalício, não resisti. 

A Juventude Socialista de Pombal promoveu recentemente petição pelo alargamento do horário da Biblioteca Municipal. Apesar de não ser um adepto das petições on-line (a não ser que seja uma petição on-line para acabar com as petições on-line), reconheço que algumas delas podem fazer sentido, sobretudo se partirem de grupos de cidadãos e não tanto de estruturas partidárias.

O que me leva a escrever não é uma análise à proposta dos jovens socialistas, mas antes as respostas dadas pela sua líder às várias críticas que lhe foram feitas. Sofia Dias - pessoa que não conheço pessoalmente - respondeu com uma elevação que é rara nas caixas de comentário deste fórum. Apesar da contundência da crítica, ela soube defender as suas ideias de forma clara e firme, com uma educação desarmante. Sem nunca resvalar para ataques pessoais ou argumentos mesquinhos, Sofia Dias deu uma lição a muitos dirigentes partidários. 

Está de parabéns a JS por ter escolhido para sua representante uma jovem com este perfil. Espero, sinceramente, que a vida não a faça seguir as pegadas de muitos dos seus correligionários. 

23 de dezembro de 2013

Pão e Circo


A política do Pão e Circo foi introduzida pelos líderes romanos com o intuito de manter a ordem estabelecida e conquistar o apoio dos súbditos. Por se ter mostrado muito eficaz tem sido replicada até aos dias atuais.

Maquiavel dissertou profundamente sobre a estratégia que o Príncipe deveria seguir para se manter no poder: se é melhor ser amado que temido ou o contrário. E depois de identificar os riscos associados a uma e outra concluía: “as amizades que se adquirem por dinheiro, e não pela grandeza e nobreza de alma, são compradas mas com elas não se pode contar e, no momento oportuno, não se torna possível utilizá-las”.

22 de dezembro de 2013

ETAP “despede” aluna

Há cerca de 10 dias, na sequência do levantamento dos alunos que deveriam estar a usufruir da lei da Educação Especial, a ETAP “descobriu” (!) que uma aluna lá tinha ingressado sem habilitação, sem o 9º ano. Aquela lei é de 2008 (Decreto-Lei nº 3/2008) e só agora é que a ETAP se lembrou que a mesma existe!
A aluna não teria o 9º ano, em virtude de ter usufruído da última medida da Educação Especial, embora, apesar das grandes dificuldades de aprendizagem, tenha conseguido fazer todos os módulos e estivesse agora a frequentar o 3º ano, talvez devido ao facilitismo.
A diretora pedagógica, à revelia do Conselho de Turma e do Conselho Pedagógico, convocou a aluna e a mãe e, na companhia da psicóloga da ETAP e da orientadora educativa, comunicou-lhes que a aluna não podia frequentar o ensino da escola, pois tinha havido um erro da escola. Logrou obter a assinatura da mãe num documento para anular a matrícula, atendendo a que a aluna e a mãe são pessoas humildes e com fracos recursos, quer materiais quer culturais, e sem capacidade de reação e defesa, apesar da aluna ter um contrato de formação por três anos e, consequentemente, não poder ser excluída.
Aqueles podem decidir devem encontrar uma solução, para a aluna não ser vítima da crueldade e da desumanidade de quem apenas pretende limpar erros e responsabilidades. Talvez deva ser procurada uma solução ao abrigo da educação especial, como acontecia até ao 9º ano.

21 de dezembro de 2013

A magia do Natal no comércio tradicional

Há prémios e incentivos para quem ainda pode comprar nas lojas que resistem abertas por Pombal. É Natal e a Associação Comercial e de Serviços de Pombal faz a sua campanha de comunicação, certamente o melhor que sabe e pode,  mesmo antes de entrar ao serviço um profissional de marketing - como é anunciado esta semana pelo presidente da direcção, num jornal em que também ocupa o lugar de director adjunto. Fala de tudo, o homem, menos daquilo que por estes dias abala a associação: o despedimento de duas das três funcionárias da casa. Uma delas cumpriu ontem o último dia de trabalho, ao cabo de 35 anos ao serviço dos comerciantes. Num passo de mágica, embarca no desemprego aos 53 anos de idade.
É fruto do tempo, como se diz na minha aldeia.
Pelos vistos, não andamos só a criar postos de trabalho. Também os extinguimos.

19 de dezembro de 2013

Desfalecimento do concelho charneira

As variáveis demográficas são o verdadeiro “teste do algodão” ao dinamismo de uma comunidade, sobretudo quando apontam todas no mesmo sentido. O desfalecimento de Pombal é evidente, mas nada melhor que os indicadores demográficos para o confirmarem.
Na NUTTIII do Pinhal Litoral, Pombal é o concelho que mais regride em três indicadores demográficos fundamentais: taxa de natalidade, taxa de mortalidade e taxa de crescimento da população. Segundo o relatório do INE de 2012, Pombal tem uma taxa de crescimento da população negativa que é o dobro da média da região. A crise pode atacar todos, mas ataca mais os mais frágeis.
Decididamente: o concelho charneira não se cumpre!

15 de dezembro de 2013

A doença dos políticos das freguesias

Foram candidatos e não queriam perder eleições. O protagonismo ainda foi o principal estímulo à sua mobilização política.
Eram presidentes de junta e queriam mostrar que eram os melhores, que faziam muitas obras. Muitos arruinaram a sua vida profissional ou a sua empresa por terem estado muito ocupados na realização de obras na sua freguesia e pouco ocupados na sua profissão.
“Arranjaram” um emprego para o filho ou para o amigo na Câmara ou na empresa municipal. Não podiam abandonar o sabor do poder da governação, para manterem os níveis de dopamina em alto e para protegerem os amigos.
Finalmente, a lei libertou-os da droga. Alguns ficaram arruinados e outros sentem que beneficiaram com a política. Alguns confessam terem readquirido a qualidade de vida perdida, até na parte sexual.
O protagonismo da atividade política é uma quimera que, depois de desfeito, deixa voltar a mostrar a vida…

14 de dezembro de 2013

Revisão do PDM


O executivo camarário prometeu colocar a revisão do Plano Director Municipal de Pombal em discussão pública a partir do dia 13 de Dezembro de 2013 e cumpriu. Muitos parabéns!

A informação que se encontra on-line é extensa e complexa. Para fomentar a discussão e estimular o aparecimento de propostas construtivas, talvez fizesse sentido a existência de sessões públicas de esclarecimento. Alguém se oferece?

13 de dezembro de 2013

Há Dinossauros e Dinossauros

Narciso Mota esteve no poder durante vinte anos. Adelino Mendes esteve na oposição durante os mesmos vinte anos. Narciso Mota ganhou eleições atrás de eleições; e, se o deixassem, continuaria a ganhá-las. Adelino Mendes perdeu eleições atrás de eleições, e continuará a perdê-las.
Narciso Mota soube conviver com os críticos e alargou sempre o seu espaço político. Adelino Mendes viu sempre adversários nos militantes mais influentes e foi reduzindo, continuamente, o seu espaço político.
Narciso Mota foi sempre mais do que o partido. Adelino Mendes é o partido.
Narciso Mota sempre acreditou muito no que fazia (até demais). Adelino Mendes nunca acreditou no que fazia. E finalmente reconheceu-o publicamente: “devo acrescentar a ideia que já tinha quanto ao funcionamento de um órgão executivo com esta natureza colegial, também tenho que reconhecer com toda a frontalidade que não alterei nada à minha oposição, acho que os Vereadores da oposição, num contexto em que há um partido claramente maioritário vencedor das eleições não faz aqui nada neste órgão.”
Está explicado…, em parte!

12 de dezembro de 2013

Recomendo vivamente

A CMP gaba-se de ter uma situação económico-financeira invejável. Logo, se tivesse um mínimo de consciência social, poderia abdicar de 5% do IRS, restituindo-o aos munícipes, e assim contribuir para minimizar os efeitos da profunda crise económica em que o concelho está enterrado e de onde não sairá tão cedo.
Como não o fez, aconselho todos os que têm uma segunda residência num concelho que abdica dos 5% do IRS a mudar a residência fiscal para esse concelho e assim beneficiar da medida.

Tenho alguns amigos que já o fizeram! Tenho pena de não o poder fazer.

Pérola literária

Aconselho, vivamente, a leitura dos discursos de despedida do último executivo autárquico. Há muito que não me ria tanto! Só uma pergunta: não há quem reveja as actas antes de serem publicadas?

11 de dezembro de 2013

Despesa inútil

Em Set/13, a CMP deliberou, por unanimidade, aprovar o projecto de execução, o programa de concurso, o caderno de encargos e abrir concurso público com vista à execução do Centro de Estudos Mota Pinto no valor de 1.000.000 €.
Paga contribuinte!

Subsídios (XXIII)

Em SET/13, a CMP deliberou, por unanimidade, presentear a Associação de Caçadores de Pombal com 6.387,88 €.

Subsídios (XXII)

Em SET/13, a CMP deliberou, por unanimidade, presentear a Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Vermoil com 10.000 € e muita fé.

Subsídios (XXI)

Em SET/13, a CMP deliberou, por unanimidade, presentear a Fábrica da Igreja Paroquial da Freguesia de Carnide com 5.000 € e muita fé.

Subsídios (XX)

Em SET/13, a CMP deliberou, por unanimidade, dar 800 € ao Centro Cultural Recreativo e Desportivo de Matas para aquisição de um monta-cargas.

9 de dezembro de 2013

Da série "a verdade (a que temos direito)"


Há horas de sorte na vida de um dirigente, e horas de azar na vida de um editor. Que o diga o nosso comentador de estimação, supra-mega dirigente associativo Rodrigues Marques, que na última edição do Jornal de Leiria se viu subitamente transformado em José (em vez de Manuel), e promovido a presidente da Associação Comercial e Industrial de Pombal. Ora, como é sabido, a lei de Murphy faz-se sentir sem apelo nem agravo...mas salva-se a veracidade da resposta do engenheiro, a propósito da propaganda que o Governo alimenta, fazendo crer que o desemprego baixou e que a economia recupera a cada dia.
Diz ele: "penso que essa queda do desemprego se prende com uma limpeza feita à base de dados dos centros de emprego, quer pela via da emigração ou por outro qualquer motivo. Em termos empresariais não se nota nada. Está tudo na mesma".
Ou como diria o outro...o pior é a realidade.

6 de dezembro de 2013

Falso partidarismo (II)

Durante este fim-de-semana realizam-se eleições para as concelhias do PS. Em muitos casos, falsas eleições. Os partidos estão reféns de caciques.

Quem acompanha a realidade partidária sabe-o. Mas, muito poucos têm a noção da gravidade da situação. Ver dirigentes políticos a denunciar publicamente a situação é um excelente sinal. O sistema democrático precisa de partidos, minimamente, democráticos.

Falso partidarismo

Há dias, após longa ausência, resolvi marcar presença na Reunião Geral de Militantes da Concelhia do PS de Pombal. A ordem de trabalhos prometia: 1-Análise e balanço dos resultados eleitorais; 2-Análise da situação politica. Prometia mas não cumpriu. De onde não há, não se pode tirar.
A reunião começou sem quórum, com 45 minutos de atraso. Uma espera inglória por militantes que não existem. Cinco militantes de base e sete dirigentes ouviram, resignados, as longas explicações do líder, resumidas desta forma: o partido não tinha atingido os objectivos; tinha até perdido a única junta que detinha, mas elegeu mais um vereador; perdeu votos, mas o PSD perdeu muitos mais. Logo, atendendo às circunstâncias, os resultados não foram maus!
No final da intervenção do líder, o presidente da assembleia perguntou se alguém queria intervir. Ninguém se manifestou.
O presidente passou de imediato ao ponto 2. Análise da situação politica. O líder relatou as ações do partido no pós-eleições: instalação dos eleitos, os (desastrosos) casos de Abiúl e Almagreira e anunciou o calendário das eleições. Informou, ainda, que a última listagem de militantes recebida na concelhia indicava que a concelhia só tinha dez militantes com as quotas em dia e que as listas aos órgãos concelhios exigiam, no mínimo, 25 militantes (15 efetivos + suplentes).
Aquilo mais parecia um velório, e num velório aconselha-se contenção.
Mas o cadáver não será enterrado, o ritual continuará!

Nelson Mandela (1918-2013)

Morreu hoje (5 de Dezembro de 2013) a minha grande referência política. O meu único ídolo. 

5 de dezembro de 2013

Rua Aristides de Sousa Mendes

Era uma reivindicação antiga do Alvim. Agora que partiu para outras paragens, a sua terra fez-lhe a vontade. A partir de Janeiro a actual Rua da Piscina vai passar a chamar-se Rua Aristides de Sousa Mendes. A toponímia pombalense dá assim destaque a uma notável figura do século XX português que, apesar de alguma controvérsia, é vista como um símbolo da liberdade e do espírito de resistência. 

Freud & Maquiavel, I

Os tempos são esquizofrénicos por toda a parte e nos vários fragmentos da sociedade. Em Pombal - onde, já se sabe, nem tudo é normal - vive-se um paradoxo: nunca a sociedade foi tão dominada pela Igreja e nunca assistimos a uma corrente tão transversal de valores pouco cristãos. Às vezes humanos, só.
As empresas gostam de encher a boca com a solidariedade e a responsabilidade social, mas são um lugar muito estranho em matéria de respeito pelos direitos e de cumprimento de deveres. Não admira por isso que as instituições sejam um reflexo deste retrato. O falso associativismo de que aqui fala, amiúde, o Adelino Malho, tem sido maná para meia dúzia de alpinistas sociais. Mais do que o falso associativo, aquilo a que estamos a assistir em muitos casos (haverá sempre honrosas excepções)) é falso dirigismo. Ora, se as reuniões de assembleias gerais ficam vazias, com que moral se podem queixar os associados?


Petição para alargar o horário da Biblioteca Municipal

Corre pela internet uma petição pelo alargamento do horário da biblioteca municipal de Pombal, que pode ser consultada e assinada Aqui.
A iniciativa é da Juventude Socialista de Pombal (sim, afinal existe, e é liderada por uma rapariga, a Sofia Dias)) e fez-me lembrar uma frase popularizada há uns por um "boneco" do actor Nuno Lopes, n'Os Contemporâneos, que terminava com "faz alguma coisa de útil para a sociedade".
A iniciativa parece-me excelente para ilustrar o mundo de coisas que as juventudes partidárias podem (e devem) fazer pela/na sociedade que integram. Numa altura em que uma das duas rádios locais prepara um programa para lhes dar palco, é um sinal positivo, este.

3 de dezembro de 2013

Uma medida estúpida

O novo executivo municipal do PSD e a maioria que o suporta na AM decidiram agravar o IMI para os proprietários de prédios rústicos abandonados. Seguiram a doutrina tributária do governo: sobrecarregar os mais frágeis, os que menos têm, os que menos podem pagar. A medida é triplamente estúpida, porque é injusta, inexequível e contraproducente.
É injusta porque a aplicação dos impostos (ou a respetiva taxa) deve atender ao princípio da equidade (que exige o mesmo esforço a todos os contribuintes), à capacidade contributiva e à igualdade de tratamento em uma situação semelhante. Porque a exploração dos terrenos rústicos é maioritariamente deficitária (gera prejuízo), os proprietários que não cuidam ou cuidam mal dos terrenos são duplamente penalizados. Logo, não faz qualquer sentido tributar ainda mais quem não pode pagar, quem não tem como pagar.
É inexequível porque ao diferenciar as taxas de IMI entre terrenos rústicos abandonados ou explorados exige a sua classificação regular, porventura anual, o que é economicamente inexequível. Aplicar a taxa à mancha provocará muitas injustiças e reclamações.
É contraproducente porque fomenta aquilo que, supostamente, quer prevenir: os fogos florestais. A forma mais económica de limpar os terrenos rústicos é lançar-lhes fogo.

Se a estupidez pagasse imposto….

2 de dezembro de 2013

Falso associativismo

Há dias participei na reunião da associação de pais do Agrupamento de Escolas de Pombal. A ordem trabalhos visava: 1. Discussão e aprovação do Relatório de Atividades; 2. Eleição dos Órgãos Diretivos. Nas votações só puderam votar os pais que fossem sócios da associação com quotas em dia. Ficámos a saber que a associação (só) tem 15 sócios com as quotas em dia e que são necessários 15 dirigentes para os três órgãos. Logo, 15 sócios elegeram-se dirigentes.

No entanto, valeu a pena esperar que se cumprissem as formalidades da ordem de trabalhos porque, no final, houve tempo para a discussão dos problemas do agrupamento, nomeadamente na Escola Secundária e na Escola Marques de Pombal. Muita matéria.

Obstáculos no Largo do Cardal

As notícias dizem que o novo executivo camarário pretende remover os pinos do Largo do Cardal por serem obstáculos perigosos para os peões. O “Farpas” tinha razão. 
Não era necessário terem ocorrido “acidentes” com ferimentos nos peões para que ficar provada a perigosidade dos pinos.
Resta saber o que irá ser feito quanto aos “pinos” da pedra afiada da Ponte D Maria e quanto às proteções removidas junto ao rio Arunca.
Para já os sinais são mais de responsabilidade e menos de proteção de amigos autores de projetos de m…

28 de novembro de 2013

ETAP – Demissão da diretora

Depois de muito se escrever sobre a gestão da ETAP, a diretora Ana Pedro, perante as irregularidades comunicadas à inspeção e através de uma ação no Tribunal do Trabalho, demitiu-se para não ser demitida.
Todos (nós), cidadãos deste concelho, deveríamos ter vergonha na cara pela falta de exigência e consequente silêncio de cumplicidade com que tolerámos aquela gestão e a política de esbanjamento da anterior Câmara Municipal naquela escola.
Vamos agora esperar por uma gestão rigorosa, à semelhança dos sinais dados pelo novo executivo Camarário…

Quem lhe dá o golpe de misericórdia?

Há uns tempos atrás, a AICP quis fundir-se com a ACSP. Depois de prolongadas negociações anunciaram a criação de uma nova associação empresarial: a AEP (Associação dos Empresários de Pombal). AEP não chegou a ver a luz do dia. Não fecundou! Óvulos velhos e espermatozoides fracos. A típica fuga para a frente falhou.

Sem atividade, sem futuro, sem esperança; a moribunda a AICP espera, desconsolada, a extrema-unção. Há por aí um voluntario disponível para lhe dar o golpe de misericórdia? Coveiro existe! Mas, por questões de dignidade, era conveniente que não fosse o coveiro a dar-lhe o golpe de misericórdia.

27 de novembro de 2013

Falso associativismo

No pós-25 de Abril o associativismo teve um forte incremento mas, passado o período pós-revolucionário, o fenómeno foi esmorecendo. Pombal seguiu a tendência, mas com a chegada de Narciso Mota ao poder a coisa recrudesceu. Não no espírito anterior, mas noutro que bem conhecemos.
As associações do pós-25 de Abril tinham propósitos claros, visavam dar resposta a necessidades prementes, provinham e representavam um grupo ou uma comunidade, tinham sócios e dirigentes comprometidos com os propósitos da associação, e, the last but not the least, tinham uma atividade constante e rica.
Atualmente nada disto acontece. As associações não desenvolvem atividade que se veja ou que interesse à comunidade ou ao grupo que dizem servir. Na maior parte dos caos, existem unicamente para aceder a subsídios e bens públicos, para promoção dos seus dirigentes e para o tráfico de influências. Não têm sócios - e a maior parte não os quer ter - só têm dirigentes, que se se elegem a eles próprios e assim se mantêm ad-eternum no poder. Uma vergonha que tem que ser desmascarada. 

Medalhas com muito improviso e graçolas

Para além da escolha dos agraciados, a entrega das medalhas no dia do município revelou algumas surpresas e um novo estilo. Surpresa, por exemplo, no tom do discurso do novo presidente da câmara, pincelado com graçolas - como as comparações a Ronaldo e a Eusébio - e com exagerados elogios ao ex-presidente da câmara, que, para muitos, roçou a hipocrisia. Os que acompanham a atividade política local conhecem bem as histórias de intrigas, de desconfianças e pequenos ódios entre Narciso Mota e Diogo Mateus. Ficaram, agora, mais atentos aos desenvolvimentos. Será que o ridículo mata?
O estilo informal da cerimónia, com muito improviso à mistura, ignorou todas as regras de protocolo e mais pareceu uma entrega (mal organizada) de presentes à garotada.

Começaram de forma diferente, mas não começaram bem.

26 de novembro de 2013

De pasquim

Para além da qualidade da informação, o que distingue um pasquim de um jornal é o respeito pela deontologia jornalística e pelo conflito de interesses.

Um dirigente de uma associação de empresários que aceita ser dirigente de um órgão de informação expõe-se a conflitos de interesses. Quando assina editoriais de um órgão de informação desrespeita regras básicas da deontologia jornalística. E quando utiliza os editoriais para promover eventos da sua associação empresarial desrespeita tudo e todos.

Pensões no TEDH e no TC

- Acórdão de 08/10/2013 do TEDH (tribunal Europeu dos Direito do Homem)
“O corte no montante das pensões de reforma do setor público decidido por Portugal na sequência da crise financeira não é desproporcionado.”
Em sentido contrário têm decidido os juízes do Tribunal Político/Constitucional português. Salvam as suas grossas remunerações e pensões com o argumento/mentira de defesa das pequenas pensões.

24 de novembro de 2013

Mamma Mia, o musical que veio das Meirinhas

O Colégio João de Barros quebrou este fim-de-semana um jejum de cinco anos no rol de musicais que lhe fazem a história. Quase podemos dizer que valeu a pena esperar. O espectáculo que durante três dias subiu ao palco do Teatro-Cine de Pombal não serviu apenas para assinalar os 25 anos da escola. Serviu sobretudo para mostrar que quem faz uma escola são as pessoas, e que essas, quando motivadas, fazem milagres que resvalam os lucros e os interesses diversos. Calculo que por esta altura a direcção do Colégio sinta um enorme orgulho no grupo de professores (com Miguel Rivotti à cabeça) que ensaiou aqueles alunos. E que os pais desses alunos sintam um grande orgulho naquela escola, e que aquela escola seja um orgulhoso cartão de visita para a população das Meirinhas e lugares limítrofes. Ao final da tarde de domingo, percebi melhor o que me disseram várias vezes alguns moradores da terra-natal de Narciso Mota: há vida para além dos milhares do pavilhão e do estádio. E no dia em que este concelho tiver uma política cultural (sim, mantenho a minha esperança em António Pires), tudo isto há-de ser enquadrado e valorizado.

Perigo no rio Arunca



Na Urbanização das Cegonhas, a proteção junto ao rio Arunca é formada por segmentos de grades metálicas alternadas com segmentos de estruturas constituídas por pilaretes em betão armado. Enquanto os gradeamentos metálicos se encontram em aparente bom estado de conservação e solidez, os pilaretes de betão foram totalmente removidos num dos segmentos, quase todos removidos noutro segmento e parcialmente removidos em dois outros segmentos, constituindo um perigo de queda de vários metros de altura de pessoas, sobretudo crianças, animais e bens para o rio Arunca.
Sabendo que há alguns meses atrás um cidadão já alertou a Câmara Municipal para o perigo ali existente, temos de perguntar o que impede a tomada de medidas imediatas provisórias para garantir a segurança das pessoas e bens seguidas da reparação definitiva ou substituição das estruturas. Será necessário a ocorrência de um acidente?
Aliás, nos últimos anos temos assistido à construção de obras quase inúteis concebidas/aprovadas pelo arquiteto do regime com total desrespeito pelas regras de segurança, de que são exemplo os pinos de pedra afiada da ponte D Maria e os pinos de metal do Largo do Cardal.
Não é a segurança a parte mais importante das obras, depois da utilidade?
Os sinais de mudança de política e de atitude do novo executivo já deveriam ter chegado…

Quando o património é perigo



Neste concelho não tem existido grande interesse em preservar o património com algum valor. E não é por falta de dinheiro, porque gasta-se tanto em obras sem qualquer valor, que só pode ser por insensibilidade ou ignorância. Consequentemente, o património com algum valor vai-se degradando e perdendo. Mas permitir que essa degradação ponha em risco a segurança das pessoas é desleixo que roça a irresponsabilidade.
A baixa do centro de Abiúl é uma zona com História e ainda resistem alguns traços arquitetónicos dessa História que mereciam cuidada preservação. Um dos traços arquitetónicos com valor são os arcos do Paço dos Duques de Aveiro que correm risco eminente (pelo menos um deles) de ruir, colocando a vida dos transuentes em risco.
Quando o desleixo roça a irresponsabilidade estamos perdidos.

22 de novembro de 2013

E se as Associações de Estudantes cumprissem o seu papel?

Tenho para mim que não sou nem educador de ninguém, além de mim próprio, nem intelectual. Fui um espectador activo numa mudança radical do ensino em Portugal. Durante a minha longa passagem pela Escola, tornei-me consciente das questões essenciais da sociedade, a que muitos resumem, e bem, por política. Curiosamente, teve que ser numa escola pública, anteriormente frequentava uma escola semi-privada, pelo menos assim se classificava na altura. E nessa escola pública, na Escola Secundária de Pombal, com um professor de Filosofia, que tinha para com a educação um relacionamento de total devoção, na tomada dessa já referida consciência, descobri que quando uma pessoa adquire essa consciência precisa, inevitavelmente, de se associar a outros.
Presumo que ninguém perceba do que é que eu quero falar. E é precisamente confuso, ou pelo menos assim querem incutir, o tema que eu quero explanar: Associação de Estudantes. No meu activismo estudantil, ou “manifestante profissional”, como alguns poderão descrever, sempre pautei-me pela unidade estudantil, construída através da discussão dos nossos problemas, porque sendo nossos, teríamos de ser parte fundamental da resolução. Mas afinal como é construída essa unidade estudantil, ou melhor dizendo, qual a forma que se constrói essa unidade?! É, precisamente, com a Associação de Estudantes.
Não irei dissertar muito acerca da Lei 33/87, lei que regulamenta as AAEE a nível mais abrangente. Mas adoraria que todos os estudantes tivessem noção de que ela existe e que ela afirma que, entre outros direitos mais, a Associação de Estudantes tem poder de participação na gestão da escola, na questão da Acção Social da Escola, na questão Pedagógica etc. Em suma, sendo uma associação de todos os estudantes, espaço de construção, até, de opinião crítica sobre as questões centrais da educação e do estabelecimento de ensino, mantendo, por direito, a independência a nível de política partidária, de credo e qualquer outro factor divisório, ela deve ser uma forma de, ao debater as já referidas questões, canalizar todos os esforços na melhoria da escola e do ensino, tomando para si todas as acções que entender ser necessárias de aplicar.
E no entanto, nada disto acontece. O que é um direito fundamental da massa estudantil torna-se motivo de disputas de poder, em que um órgão representativo importante dos Alunos, em tempos tão conturbados, serve para formatar o restante que o sistema não alcança. A Associação de Estudantes não pode, nem deve ser uma Comissão (Permanente) de Festas, nem uma Conferência São Vicente de Paulo, sem qualquer ofensa para com as referidas associações/instituições. Antes pelo contrário, deve ser um espaço que se baseie na junção de forças que entendam que o que existe pode e deve ser melhorado, sem qualquer crítica destrutiva, mas com um sentido obrigatório de construção. E, também, dando espaço aos estudantes que possam, em todas as outras matérias que considerem úteis ao desenvolvimento pessoal/social dos estudantes, contribuir para esse intuito, sejam eles numa festa, sejam eles num acto cultural, sejam eles num acto de solidariedade, em contraponto com a caridadezinha.
Talvez, se o papel das AAEE fosse cumprido na exactidão da sua real dimensão, actos que os mais conservadores entendem como atentado à moral e bons costumes, como os que se passaram recentemente na Marquês, não tivessem acontecido. Poderemos criticar a forma como foi feito, mas nunca a essência do que representa. Se alguém praticou tal acto, é porque sente na pele o que se passa neste momento no país, seja na Educação, sejam em outros factores da vida em Sociedade. E, meus amigos, talvez, voltando às suposições, se as AAEE estivessem a funcionar correctamente, esta ira que se sente, pudesse ser canalizada para algo melhor, para algo mais construtivo, em vez da resposta ao terrorismo político que vivemos.
Contudo, eu é que sou o ingénuo. Como vos disse, e volto a repetir, tenho para mim que não sou nem educador de ninguém, além de mim próprio, nem intelectual. Não preciso de encontrar nenhum ponto, ou púlpito, colorido para me abrilhantar perante todos, dando indicações do que se deve seguir, nem dando paternais recados. Mas que ou a malta jovem começa a perceber a real importância das AAEE ou então temo que este país perdeu mesmo o seu futuro. É que nós temos duplas razões para lutar. Por hoje e pelo amanhã. Porque sem um hoje certo, não haverá um infinito amanhã. Mas isto sou eu, que conservo a teimosia de ser realista ao pedir o impossível… 

Mário Martins

20 de novembro de 2013

Ponto laranja

Nasceu, esta semana, um novo blogue de cariz político em Pombal. Trata-se do “Ponto Laranja”, promovido pela JSD/Pombal. Seja muito bem-vindo! 

18 de novembro de 2013

Inspeção na ETAP

A inspeção Geral da Educação entrou em força na ETAP.
Subsídios irregulares com alunos oriundos dos PALOP, ordens para não reprovar quaisquer alunos, estivessem ou não preparados, alunos matriculados sem habilitações para o efeito, bloqueio das pautas de notas para evitar as reprovações, contagens erradas de tempo de serviços dos docentes, etc., etc.
Falta conhecer a quantidade de dinheiro recebida pela Câmara Municipal através da Adilpom, esta titular de 50% do capital social da ETAP. 

15 de novembro de 2013

Da blogosfera (e outros demónios)

Vale a pena partilhar com os leitores do Farpas o tema dos últimos dias nas redes sociais: a entrevista do consultor de comunicação Fernando Moreira de Sá (que também mora comigo noutra casa, o blogue Aventar) ao jornalista Miguel Carvalho (também ele bloguer  n'A Devida Comédia), na revista Visão desta semana.
É óptima reflexão para o fim-de-semana.

Orçamento participativo


Numa altura em participação activa de independentes na vida política é vista como fundamental e cada vez mais reivindicada pela população, muitos municípios portugueses puseram em prática experiências de orçamentos participativos. Aquilo que começou por ser uma  “coisa da CDU”, é agora uma realidade inquestionável em autarquias de vários quadrantes políticos: Aljustrel, Aveiro, Cascais, Condeixa, Guimarães, Lisboa, Odemira, Oeiras, etc.

Quando, em 2010, aqui apelei à concretização do projecto em Pombal, alguns caciques locais apressaram-se a tentar ridicularizar a proposta. O mundo mudou entretanto e, um ano mais tarde, voltei a lançar o repto, fazendo referência ao facto do secretário de Estado da Administração Local e Reforma Administrativa os ter recomendado.

Como não há duas sem três, volto à carga. Senhores deputados municipais: criem condições para a existência de um orçamento participativo em Pombal e promovam todos os esforços no sentido de envolver uma grande percentagem da população na sua discussão. E, já agora, inscrevam-se no curso de formação online que vai decorrer no dia 20 de Janeiro de 2014.

13 de novembro de 2013

Subsídios, Adilpom, ETAP, etc.

Subsídios concedidos pelo Município de Pombal à Adilpom no ano de 2012:
- 1º semestre - €159.452,09;
- 2º semestre - €150.006,26.
Sendo a Adilpom titular 49% do capital social da ETAP, estará a servir de testa de ferro para as transferências de dinheiros do Município para a ETAP?
Talvez o relatório e as constas da Adilpom, provados em 17-10-2103 esclareçam as dúvidas.
Entretanto a ETAP irá ser submetida a uma inspeção com outras finalidades… 

12 de novembro de 2013

É a Escola …(II)

Em Pombal, a Educação segue o padrão geral da terra: a mediocridade. Mas pior do que ter um desempenho medíocre é não o aceitar, nem o compreender. Quando aqui opinei sobre a Educação fi-lo a partir do ranking dasescolas de 2013 (procuro, na medida do possível, opinar com base em dados e/ou indicadores). 
Como a Educação é uma área muito suscetível, onde é difícil construir e é muito fácil destruir, usei os melhores exemplos para ilustrar a triste realidade. Acrescento agora o que os cegos não querem ver:
- No 11.º/12ª ano só uma das 5 escolas do concelho atingiu média positiva: a ES Pombal - média 10,1 – 139.º no ranking. Colégio Cidade de Roda: 8,04 -  519.º. ES Guia: 8,75 – 414.º. I D João V: 8,88 – 388.º/619.
- No 9.º ano só duas das oito escolas do concelho têm média superior a 3: EB Marquês de Pombal (3,03) e Ext. Alb.-Doze (3,03).
- No 6.º ano só uma escola das sete escolas do concelho tem média superior a 3: Ext. Alb.-Doze (3,07).
- No 4.º ano só dez em quarenta escolas têm média igual ou superior a 3. Neste escalão temos escolas da freguesia de Pombal nos últimos lugares do ranking. Inacreditável. O "concelho charneira" no seu melhor!
Cego não pode guiar cego.

11 de novembro de 2013

Sai uma medalha para o coveiro-mor

Este ano, no dia do município, o recém-eleito executivo camarário (onde reina a perfeita harmonia) distinguiu unicamente políticos. E acordaram já, mais distinções – de políticos – para o próximo ano (trabalho adiantado não dá preocupações!). Os critérios (porque neste caso fica claro que os houve) são, no mínimo, discutíveis. Surpreende e indigna que ninguém da chamada sociedade civil tenha merecido destaque (até o Farpas - que é acusado de dizer mal de tudo – reconhece que há, por cá, personalidades e entidades que se distinguiram pela positiva). Mas para os políticos do burgo só contam os da “casta”: os escavadores da cova onde muitos já caíram e muitos outros ainda cairão, se entretanto não derem de frosques. Mas surpreende ainda mais que o coveiro-mor – um distinto e velho membro da “casta” não tenha sido distinguido. É verdade que já foi distinguido por outros méritos (não confirmados), mas justo seria que fosse medalhado na arte onde tem sido profícuo: encovar. 

Noves fora, quatro

Dos 12 presidentes de junta de freguesia cessantes, quatro não foram medalhados. O critério definido para algum deles receber o metal era ter exercido o cargo durante 12 anos e não ter recebido medalha anterior superior ou igual. Consequentemente, ficaram de fora Rodrigues Marques de Albergaria, por já ter recebido medalha superior, o que se justificava e impunha, e José Neves do Louriçal, Isabel Costa de S. Simão e Jorge Silva de Vila Cã.
Sabendo-se que a inclusão de Leovigildo do Carriço ocorreu por proposta da oposição e conhecendo-se os atores políticos e respetivas motivações e atuações, qualquer “inocente” ou “anjinho” vê que o dito critério é uma roupagem costurada à medida para não servir a pelo menos três personagens, pois também vê e sabe que José Neves do Louriçal é do PS, Isabel Costa de S. Simão se retirou das listas do PSD e Jorge Silva de Vila Cã fomentou uma lista de independentes que venceu a do PSD.
Critério ou sinais de persistência e de sedimentação de uma certa cultura de vingança? Onde estão os sinais de verdade e de pacificação?
Eu próprio conheço um ex-presidente dum partido local que foi desconsiderado há vários meses atrás pelo seu partido, com base num critério igualmente cínico que encobria a realidade de já antes ter sido considerado “persona non grata” pelo seu emotivo “amigo” narcisista.

10 de novembro de 2013

É a Escola …

Em Pombal corre tudo mal: a Economia afundou e não se vêm grandes esperanças de retoma, a Justiça prepara-se para levantar a tenda, a Saúde está ligada ao ventilador, a Educação está na “merda”.
O ranking das Escolas de 2013 confirma a desgraça coletiva: não se salva nenhuma escola nem nenhum grau de ensino.
No 11.º/12ª ano, a escola do concelho melhor classificada – Escola Secundária de Pombal - fica-se pelo 139.º lugar.
No 9.º ano, a escola do concelho melhor classificada – Escola Marquês de Pombal – fica-se pelo 148.º lugar.
No 6.º ano, a escola do concelho melhor classificada – Externato Liceal de Albergaria dos Doze – fica-se pelo 199.º lugar.
No 4.º ano, a escola do concelho melhor classificada – Escola Básica do Escoural – fica-se pelo 197.º lugar.

E os “burros” são os garotos?

8 de novembro de 2013

Ouro, incenso e mirra

As comemorações do Dia do Município (que este ano ainda se assinala a 11 de Novembro) apresentam-se agora como uma organização conjunta da Câmara Municipal e da Paróquia. Aliás, o programa é claro: Dia do Município/Festas de São Martinho. A notícia (escorreita) da Rádio Clube assinala o facto de, "pela primeira vez" estarem envolvidas algumas instituições locais. Vamos ser claros: Já todos tínhamos percebido que a Igreja (Católica) foi ganhando terreno na causa pública, sobrepondo-se, também por cá, ao Estado Republicano e Laico. O programa de actividades vem desvendar essa escalada.
Ficamos então à espera de um milagre: oxalá os ventos de mudança que parecem soprar (para bem de todos) no modus operandi do executivo municipal, consigam tornar Pombal num palco de mais valores humanos (e cristãos, já agora), e menos cenário de inquisição - sempre pronta a queimar na fogueira quem não se cobre de véu para dizer "ámen" em toda e qualquer circunstância.
Para além das Festas de São Martinho, o programa integra a tradicional distribuição de medalhas, este ano dedicada exclusivamente aos "dinossauros" do poder autárquico. Vai tudo* corrido a prata: 
António Carrasqueira | Abiul
António Fernandes | Mata Mourisca
Carlos Cardoso | Redinha
Carlos Domingues | Ilha
Eusébio Rodrigues | Carnide
Guilherme Domingues | Santiago de Litém
Leovigildo Fernandes | Carriço
Manuel António | Guia
Ouro, só para Narciso Mota.
*Fica a faltar nesta lista o nosso comentador de estimação, engº Rodrigues Marques, último presidente da Junta de Albergaria dos Doze, ainda presidente dos Bombeiros Voluntários de Pombal e da Rádio Clube. Segundo a notícia publicada no FB da mesma, "é a excepção, uma vez que no ano passado recebeu a Medalha de Mérito Associativo Grau Ouro". Trabalho feito não dá cuidados.

7 de novembro de 2013

Caos no estacionamento

O caos no estacionamento na cidade de Pombal também contribui para o caos do trânsito e, sobretudo, constitui perigo para os utentes das vias rodoviárias.

Damos exemplos da falta de civismo dos condutores: viaturas automóveis estacionadas ou paradas nas curvas, mesmo sobre raias de cor amarela ou sobre linhas contínuas de cor amarela colocadas junto ao limite da faixa de rodagem e no rebordo do passeio, durante o dia e durante a noite, obrigando os condutores das outras viaturas a circularem fora mão e sem visibilidade; viaturas estacionadas ou paradas em segunda fila, em frente de outras viaturas a impedir as bem estacionadas de sair e a provocarem o desespero dos respetivos condutores; viaturas estacionadas ou paradas nos lugares destinados aos autocarros da Pombus, a ocuparem ainda parte da faixa de rodagem, pelo menos durante a noite; viaturas estacionadas a ocuparem mais do que um lugar desenhado no pavimento, a impedirem outras de estacionar; viaturas estacionadas ou paradas à hora da missa, aguardando a saída dos utentes da igreja e a provocarem a penitência dos utentes da via que não vão à missa…

Como estes e outros casos de violação das regras de trânsito ficam ininterruptamente visíveis durante vários minutos, horas e parte dos dias, em locais bem conhecidos, teremos de perguntar aos agentes da autoridade porquê tanta condescendência, já que, relativamente às zonas de estacionamento pago, a falta de pagamento é sancionada e bem pela PMU.

5 de novembro de 2013

Se tudo estivesse normal em Pombal ocidental, poderíamos concluir que está instalada uma certa revolta entre a comunidade escolar (e não apenas estudantil...) da escola Marquês de Pombal, agora transformada num apêndice do mega agrupamento liderado pela Escola Secundária.
Como não está, resta-nos alinhar pela directiva da vizinha cidade de Leiria, que aponta para a necessidade - premente, urgente, vital, sei lá...- de colocar uns reclusos a limpar grafitis, para dar um certo ar urbano e moderno ao burgo. Pelos vistos, nem isso foi preciso. Em poucas horas foi tudo branqueado: a Marquês acordou num dia com um recado, e adormeceu sem ele.
Se tudo estivesse normal em Pombal ocidental, a transição de agrupamento teria sido feita com o mínimo de cuidado (e respeito) pela mesma comunidade escolar, evitando "mais buracos na parede", como cantavam os Pink Floyd de outra geração. Certamente que a recém-eleita Associação de Estudantes da dita Secundária (que se esqueceu de integrar alunos da Marquês, ou mesmo de os considerar como votantes...) estará atenta. E devidamente instruída.

2 de novembro de 2013

Convite à desobediência civil


Se o ridículo pagasse imposto, a nossa autarquia estava toda carimbada! Afinal o “sarcófago” é uma escultura e quem lhe puser um pé em cima sujeita-se a pagar uma multa. 

Como a dita escultura já era vista pelos pombalenses como o maior monumento ao mau gosto da cidade, a placa acaba por funcionar um convite à desobediência civil. Deixo, por isso, um apelo: vamos fotografar os nossos pés em cima daquilo! E se não quiserem usar as vossas redes sociais para divulgar as fotos – “Big Brother is watching you!” – eu prometo que publico as mais criativas que me fizerem chegar.

31 de outubro de 2013

Fumo laranja

Em Almagreira, o impasse político está ultrapassado. O PSD ficará com o executivo e a oposição com a mesa da assembleia.
Podia ser de outra forma? Podia. Mas não aqui.


Engarrafamentos no trânsito

A pequena cidade de Pombal já sofre dos problemas de trânsito das grandes cidades, com engarrafamentos ao início ao final dos dias, à entrada e à saída de Pombal, e a maior parte do trânsito a circular pelo Largo do Cardal, onde a recente “requalificação”, com estreitamento da rua, e a passadeira em frente aos “Paços do Concelho”, sem semáforo, pioram a situação.
Que alternativas? Que soluções?

29 de outubro de 2013

Mais ETAP, com ou sem financiamento?

O POPH (plano operacional de potencial humano do fundo social europeu) e o orçamento geral do estado são ou deveriam ser as únicas fontes de financiamento da escola, designadamente com pessoal, equipamentos e até manuais escolares.
Dada a escassez de alunos nacionais dos países comunitários, a direção optou por “encomendar” alunos oriundos dos PALOPs, para conseguir maior número de turmas e maior financiamento do POPH, a fim de viabilizar economicamente o funcionamento da escola.
Como os alunos oriundos dos PALOPs necessitavam de suportar os custos do alojamento em Portugal e só poderiam receber subsídio de alojamento para o efeito se residissem a mais de 50Km da escola, optou-se por “encomendar” residências em conformidade, a maior parte em Lisboa.
Como na zona de “residência” dos referidos alunos existiam outras escolas com os mesmos cursos, os alunos viram-se obrigados a abandonar a ETAP, embora tivessem contratos de 3 anos.
Tem agora a ETAP condições de financiamento e de funcionamento?
O capital da Pombalprof (ETAP) pertence à empresa municipal ADILPOM (50%), à Câmara Municipal (49%), à Associação Comercial (0,5%) e à Associação Industrial (0,5%). Sendo a Câmara Municipal titular do capital social da ADILPOM, a Câmara Municipal é titular de 99% do capital social da ETAP.
Qual o papel e a atividade da ADILPOM?
Irá a Câmara continuar a financiar a ETAP através da ADILPOM?

25 de outubro de 2013

Habemus Président, Luís Mateus

Numa merenda do dia 03-03-2013, o Edgar Domingues substituiu o rótulo de um pedaço já devorado de queijo Président por um novo pedaço de outro queijo Président, que serviu ao vereador Diogo Mateus, possível candidato à Câmara Municipal. Vaticinou-se a candidatura e o resultado, guardando o Edgar o rótulo velho e o possível candidato o rótulo novo, como talismãs.
Contaram-me que, na noite das eleições, cada um deles sacou da sua carteira o rótulo que havia guardado e exibiu-o ao outro, como prova da pertinácia e da fé…
Acredito que o novo queijo tem um sabor diferente do velho queijo, aparentemente menos oxidado e menos bolorento e mais de acordo com as regras atuais da higiene.
Vamos agora acompanhar atentamente a evolução do “Président” Luís (de seu primeiro nome) Mateus (de seu último apelido).

24 de outubro de 2013

Diogo Mateus quer seguir o exemplo

No discurso da tomada de posse dos órgãos autárquicos, Diogo Mateus prometeu "gerir Pombal com o exemplo de Narciso Mota porque não que o futuro do concelho siga o caminho que aconteceu ao país no qual  tivemos quem transformasse o futuro na lixeira do presente".

Na boçalidade já atingiu o referencial do mestre. Só lhe falta, agora, colocar Pombal ao nível do país. Mas isso será mais complicado. 

23 de outubro de 2013

Os Cinco - à descoberta da fórmula mágica

O novo executivo da Câmara Municipal de Pombal reuniu esta tarde pela primeira vez. Ao contrário do que apontavam os arautos da austeridade, afinal mantém-se o número de vereadores a tempo inteiro: os cinco juntam-se ao presidente Diogo Mateus, neste oásis do território nacional em matéria de recursos financeiros. Juntos vão testar essa fórmula mágica.
Um sinal positivo: o regresso do pelouro da Cultura a Pombal, que ficará a cargo de António Pires da Silva.
Um sinal negativo: a opção de rotatividade para o cargo de vice-presidente da Câmara, por períodos de seis meses. É muita responsabilidade para quem chega, de novo, às funções. Já nos chegaram 20 anos de faz-de-conta no que toca ao sentido da causa pública.
A distribuição de poderes ficou alinhada da seguinte forma:

Diogo Mateus: Finanças, Obras Particulares, Obras Públicas (decisão) Saúde, Segurança, coordenação geral

António Pires da Silva: Educação, Cultura, Juventude, Planeamento Estratégico e Auditoria

Ana Gonçalves: Turismo, Comércio, Indústria e Empreendedorismo; Mobilidade, trânsito e transportes urbanos; Reabilitação

Fernando Parreira: Desporto, Fiscalização Municipal, Património, Gestão e Modernização Administrativa.

Pedro Murtinho: Águas, Saneamento e Ambiente, Ordenamento, Obras Públicas (acompanhamento)

Catarina Silva: Acção Social, Habitação, Recursos Humanos, Agricultura, Parques Verdes e Lazer

Nos passos do mestre

Segundo o Diário de Leiria, Diogo Mateus declarou na sua tomada de posse querer seguir o exemplo do seu antecessor, enaltecendo o trabalho de Narciso Mota que diz ter sido feito com a “confiança, esperança e satisfação” dos pombalenses. Espero que essa vontade de seguir os passos do mestre não seja extensível às alarvidades que fomos obrigados a aturar nos últimos 20 anos. Não há um único pombalense decente que ainda não core de vergonha ao lembrar a indignidade que foi ouvir o seu Presidente da Câmara, numa conferência organizada pela Associação de Pais e Educadores para a Primeira Infância, referir-se à homossexualidade como uma doença e uma causa de violência.

22 de outubro de 2013

Pombal e o futuro

A sala de espectáculos do Teatro-Cine de Pombal foi pequena para tanto convidado, tanto autarca a empossar e tanto funcionário municipal. Diogo Mateus já é presidente da Câmara, Narciso é agora presidente da Assembleia Municipal.
video
Vem aí uma nova era. Que é uma carta fechada, mas não por muito tempo.

20 de outubro de 2013

Em Abiúl, regressou a normalidade

Os resultados eleitorais em Abiúl foram uma enorme surpresa. Abiúl não é uma terra de surpresas. Por ali, um touro saltar a arena já espanta.
Ainda espicaçados pela surpresa, os Abiulenses ocorreram em massa à cerimónia da tomada de posse dos órgãos da Junta de Freguesia. O auditório foi pequeno para albergar tanta curiosidade. Mas, entretanto, já tudo tinha regressado à normalidade (foi o maior defraude de expetativas políticas a que assisti nos últimos tempos).
O Agostinho (candidato do PSD) foi a estrela da sessão (a Sandra secretariou-o com zelo): foi eleito e consagrou-se presidente (da AF, por agora). É verdade que foi mimoseado com apupos e grande assobiadela quando a Sandra, depois de contar os votos, anunciou os resultados. Coisa pouca para quem conduziu e comandou os trabalhos a seu belo prazer e viu os seus ferozes críticos darem-lhe o necessário voto.
Ficou por esclarecer se o ex-presidente Carrasqueira se mantém na pasta dos arranjos e contínua, empenhadamente, a espalhar gravilha pela freguesia. No resto, sem surpresas.

Noite europeia sem acidentes, 19 de Outubro

Ontem, sábado, a ANTRAM levou a cabo, na sala do Cine Teatro de Pombal, uma conferência sobre segurança e prevenção rodoviárias. O painel de oradores, composto por representantes da Prevenção Rodoviária Portuguesa (Alain Areal), da Fidelidade (Antero), da ANSR (Carlos Lopes) e da própria Antram - região centro (António Gomes Sousa), apontou causas e consequências dos acidentes, divulgou estatísticas e, sobretudo, indicou condutas a evitar e medidas e cuidados a tomar.
Numa época de paz, em que as mortes e os feridos nos acidentes da estrada correspondem aos de uma guerra, um bem-haja para a ANTRAM pela ação que desenvolveu em Pombal.

19 de outubro de 2013

Do Carriço a Almagreira: "Haverá pranto e ranger de dentes"

Esta não é a crónica de uma morte anunciada, porque era suposto estarmos ainda a viver um certo estado-de-graça pós eleitoral. Mas a realidade é um problema. Uma chatice.
As cerimónias de posse dos novos executivos autárquicos- que se sucedem por estes dias, por todo o concelho de Pombal - estão a sair melhor que a encomenda.
Primeiro foi no Carriço, quinta-feira à noite: Ao cabo de três mandatos absolutos como presidente da Junta, Leovigildo Fernandes bateu com a porta mesmo antes de tomar posse na Assembleia de Freguesia. Leu uma carta duríssima e disparou  em várias direcções, acertando sem medo na vereadora Ana Gonçalves (por causa da Praia do Osso da Baleia) e - estranhamente - no seu presidente de sempre, Narciso Mota. Ficaram gravadas acusações sérias que aludem a chantagens e falta de apoio, que certamente a rádio 97 FM há-de colocar no ar durante o dia de hoje, sábado.
Ou seja: já não bastava ao Carriço a delicada posição do novo presidente da Junta (também funcionário da Câmara Municipal), eis que o mandato começa assim, neste clima crispado.
Depois foi Almagreira, na noite passada (sexta-feira). Fernando Matias preparava-se para começar o último dos três mandatos que a lei lhe permite (depois de ter ganho as eleições, embora sem maioria absoluta), mas pelos vistos não percebeu que o PSD já não manda sozinho lá na terra. Recusou integrar no executivo os eleitos do CDS e do PS, Pedro Pinto e Aldina Pedro. Resultado: a proposta de constituição do executivo da Junta foi chumbada, pelo que as eleições vão repetir-se naquela freguesia.
Ao final da noite, o cabeça de lista do CDS à Câmara, José Guardado (natural de Almagreira), publicou no Facebook uma nota sobre o episódio: "Decorreu hoje em Almagreira a cerimónia de Instalação da nova Assembleia de Freguesia.
Infelizmente o PSD, apesar de não ter tido a maioria e menosprezado CDS/PP, que não esqueçamos foi a segunda força mais votada, quis fazer passar à força, sem qualquer cedência para com o CDS ou PS, a sua lista para o executivo, esquecendo-se que não tem maioria absoluta.
Naturalmente que, primeiro em lista e depois uninominalmente, viram as suas propostas todas chumbadas por 5-4.Funcionou a democracia!
Grave foram as reacções dos novos chefes do PSD de Pombal (Diogo Mateus e João Pimpão) que produziram ameaças que não auguram nada de bom para a democracia no concelho.
Quero acreditar, do que conheço de ambos, porque os tenho como pessoas de bem, que já devem estar arrependidos do que disseram!"
Isto promete.

18 de outubro de 2013

Prioridades



A AICEP (Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal) criou um portal que pretende identificar todos os parques industriais e logísticos existentes em Portugal. A inscrição é gratuita e o serviço revela-se de grande utilidade pois permite atrair o investimento. Em particular, foi desenvolvida uma plataforma de Sistemas de Informação Geográfica, denominada Global Find, que “permite ao utilizador efectuar pesquisas multicritério e livres, navegar no mapa, visualizar locais de interesse de âmbito industrial e logístico e obter Relatórios”. 

Procurei os parques industriais em Pombal (as pintas amarelas). Em vão! Pelos vistos, a nossa autarquia não achou importante enviar os dados. Prioridades...