30 de setembro de 2010

Paradoxo?

Leio hoje no Público que o PS de Sócrates propõe, contra a vontade do PSD de Passos Coelho, um aumento de impostos. Já no Correio de Pombal fico a saber que o PSD de Narciso propôs manter as taxas municipais do ano passado, enquanto o PS de Adelino Mendes defende a sua redução. O que é que eu não estou a perceber?

Por estes dias está-me a custar comentar a vida política sem recorrer ao insulto gratuito.

28 de setembro de 2010

China Town

Não tenho nada contra os chineses. Com o tempo habituei-me a ver o antigo quartel dos bombeiros transformado em loja de tudo-e-mais-alguma-coisa. Depois compreendi que se calhar as lojas por cima do Intermarché deveriam ser isso mesmo, em vez do centro de saúde. Mas quando agora vi a oficina do Arrais também adaptada a bazar, fiquei de olhos em bico. Talvez não fosse má ideia entregar-lhes o edifício Manuel Henriques e ganhar (verdadeiramente) dinheiro para cobrir o desfalque, que agora serve de desculpa para tudo.

24 de setembro de 2010

Aniversário da biblioteca

A nossa biblioteca faz hoje anos. Graças ao importante papel do então ministro da cultura, Manuel Maria Carrilho, que fixou como prioritário o alargamento da rede de bibliotecas públicas a todos os municípios do país, a sua inauguração há 12 anos continua a ser o maior feito do reinado de Narciso Mota na área da cultura. Desde essa altura, as actividades promovidas pela biblioteca, sobretudo as destinadas aos mais jovens, destacam-se pela sua grande qualidade. Tanto mais se tivermos em conta a fraquíssima oferta cultural existente em Pombal.

Os meus parabéns!

21 de setembro de 2010

Freguesia de Alitém?

Rodrigues Marques, distinto presidente da junta de freguesia de Albergaria dos Doze, propôs, há uns dias aqui, a discussão da fusão da sua freguesia com as de Santiago de Litém e S. Simão de Litém numa única freguesia denominada Alitém. A ideia é boa.
Hoje, não restam grandes dúvidas que a reorganização administrativa do País urge e é uma das variáveis mais importantes (senão a mais importante) para melhorar o retorno dos investimentos públicos, concentrando-os junto de aglomerados populacionais maiores, e, desta forma, aumentar a eficiência económica e a qualidade de vida das populações. Como é que ela pode ser melhor feita: de baixo para cima ou de cima para baixo? Idealmente, deveria ser decidida superiormente e implementada em todo o País ao mesmo tempo. Mas, como temos uma enorme incapacidade de decidir as coisas importantes, temo que nos venha a ser imposta de fora. Há muito que este processo deveria ter sido colocado em marcha pelos diferentes governos: por via politica (legislação aprovada na AR) ou por via administrativa (de baixo para cima, forçando as autarquias a fundir-se através da definição de critérios objectivos para a realização de investimentos públicos).
Em Pombal, tal como em todo o País, a maioria das freguesias estão colocadas perante um dilema: fundir ou definhar. A freguesia de Alitém poderia ser um bom tiro de partida para um movimento necessário e premente.

Orgulhosamente só

Leiria aprovou, por unanimidade, a adesão a uma nova empresa, do grupo pelas Águas de Portugal, que abarcará os serviços municipalizados de água e saneamento de vários concelhos da região centro e que assegurará, no futuro, esses serviços. Já aderiram os concelhos de Ansião, Batalha, Ourém, Porto de Mós, Arganil, Condeixa-a-Nova, Góis, Lousã, Miranda do Corvo, Penacova, Penela e Vila Nova de Poiares. Coimbra está em vias de aderir.
Pombal continua orgulhosamente só. Mesmo que isso signifique um péssimo serviço ou a ausência de serviço.

16 de setembro de 2010

A porca da política


A propósito deste post de Adelino Malho, o senhor Presidente da Câmara de Pombal afirmou: “Esta democracia é porca”. Este comentário fez-me lembrar o famoso cartoon “A Política: a Grande Porca”, publicado por Rafael Bordalo Pinheiro na capa do primeiro número da revista “A Paródia”, de Janeiro de 1900. A diferença é que, para Bordalo Pinheiro, a democracia era porca porque dava de mamar a muitos porquinhos. Para o senhor engenheiro, pelos vistos, a democracia é uma porca porque os porquinhos que não comem não se cansam de criticar os matulões que não largam a teta da mãe.

Recordações de Pombal antigo


Houve tempos em que Tonis e os Cids não tinham cabidela no Bodo. Nesta página encontrei uma foto que documenta a actuação do Quinteto Varela na Festa do Bodo de 1947. Na imagem podemos ver: na guitarra portuguesa (1º plano) João "Barbeiro"; Na viola (2ºplano) Abel "Chauffeur" (o meu avô paterno). No Quinteto, da esquerda para a direita: Maria Madalena Pessoa Varela Pinto, Luís António Pessoa Varela Pinto, Carlos Manuel Pessoa Varela Pinto, Maria da Conceição Pessoa Varela Pinto e António Maria Pessoa Varela Pinto.

14 de setembro de 2010

Eu voto Bárbara!


Nos últmos meses, O Correio de Pombal tem andado muito empenhado na divulgação da edição de 2010 do concurso “Modelo O Correio de Pombal”. Prova disso, é o constante destaque do evento, tanto na edição impressa como na edição on-line. Aliás, quem consultar a página do jornal na internet, fica convencido que em Pombal não se fala noutra coisa. Quem vai ser a próxima Modelo OCP? A avaliar pelos resultados da votação on-line (o jornal adverte que o “processo de votação sera meramente sugestivo devido ao uso indevido por parte de algumas pessoas.”) a jovem Sónia Silva já ganhou, com 27080 votos, apesar de ser seguida, por muito perto por Diana Paixão, com 22009 votos.


Como tenho tendência a tomar partido dos mais fracos e não quero ficar ao lado deste grande evento que tem mobilizado todos os pombalenses, também exerci o meu direito de voto, colocando a minha cruz na candidata Bárbara Cordeiro (na foto) que tinha apenas 53 votos.

13 de setembro de 2010

Os desgraçados

Segundo o NC, os vereadores do PS apresentaram, na última reunião executivo municipal, uma proposta que visava dinamizar a economia local. A medida proposta que provocou maior celeuma foi aquela que propunha a redução em 50% por metro quadrado dos lotes existentes nos parques industriais de iniciativa municipal e a isenção de impostos municipais durante dois anos para as empresas que se instalem no concelho.
Para Narciso Mota a “proposta é inoportuna, irresponsável e incompetente”. E concluiu: “seria injusto para os desgraçados que já compraram”.
Não haja dúvida, somos uma terra de desgraçados, mesmo os que investem!

Crimes ambientais à descarada

Abandonar lixo na floresta ou á borda da estrada é o pão-nosso de cada dia neste pedaço de terra à beira mar plantado mas muito mal povoado. Os mais envergonhados escolhem locais escondidos, os desavergonhados inveterados fazem-no às claras. É vê-los, todos os dias e ao longo de anos, nas urbanizações ou junto a novas construções, a encherem sistematicamente os caixotes do lixo (destinados aos resíduos domésticos) com todo o tipo de resíduos da construção. Fazem-no por má formação e porque a câmara, coniventemente, o permite. E aqueles que pagam o serviço ficam privados dele, e têm que andar á procura de contentores livres para largar o lixo.
No verão, altura em que por estas bandas há mais gente, é revoltante ver os contentores do lixo cheios de detritos da construção e o lixo doméstico espalhado pelo chão.
Na câmara, em vez de perderem tempo e dinheiro a colocar outdors com gráficos de barras a mostrar o aumento do volume de resíduos recolhidos porque não olham para isto e porque não penalizam os infractores? Eles estão claramente identificados. As toneladas de resíduos recolhidos talvez desça um pouco mas o ambiente e as pessoas agradecem.

10 de setembro de 2010

quando o boato se transforma em notícia

A chamada de capa do Correio de Pombal desta semana sobre os alegados maus tratos de uma educadora no Travasso são o exemplo de que como é perigoso estarmos entregues à sorte e não às elementares regras da ética e da deontologia no jornalismo local. Já não me espanta, mas entristece-me. Porque qualquer um de nós pode ir parar à capa do jornal e ser vítima de terrorismo deste. De como se constrói uma notícia a partir de um boato (como muito bem salienta a tutela da Segurança Social), sem ninguém que dê a cara e assuma o que quer que seja, sem citar fonte alguma, sem o contraditório. Como se fazer jornais fosse tão fácil como ouvir uma conversa de café e reproduzi-la, em papel, independentemente da veracidade dos factos. Isto está a ficar perigoso. Muito perigoso.

6 de setembro de 2010

Exposição à porta fechada


O Museu Marquês de Pombal tem patente ao público, até dia 30 de Setembro, a exposição "O Marquês de Pombal no Postal Ilustrado". Isto até poderia ser uma boa notícia, não fosse o horário da exposição ser de segunda a sexta-feira, das 10h às 13h e das 14h às 18h. A quem quer o museu mostrar a exposição? Aos seus funcionários?

3 de setembro de 2010